domingo, 11 de setembro de 2011

setembro


talvez um amor de primavera

que abale as estruturas

de uma alma e corpo inteiros

que não seja ligeiro, mas

que fique com brandura.


e se não ficar o amor

que fique o perfume, as flores,

um aroma de beleza

e a beleza das cores...



3 comentários:

  1. Amém...

    Q brandura, Carla! Adorei!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Carla.

    Que poema lindo!!

    Um grande abraço.
    Estou lhe seguindo.

    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderExcluir